Afiliadas
Você está em:
DF - Brasília
105.5 FM
Filtrar por Regiões
Todas
Nordeste
Norte
Centro-Oeste
Sudeste
Sul
DF - Brasília
105.5 FM
MG - Belo Horizonte
96.5 FM
GO - Goiânia
95.9 FM
SP - Campinas
99.7 FM
CE - Jericoacoara
91.7 FM
MG - Bueno Brandão
88.3 FM
MG - Buritis
91.9 FM
MG - Circuito da Canastra
107.5 FM
MG - Divino
102.9 FM
MG - Fervedouro
90.3 FM
MG - Sul de Minas
103.1 FM
MG - Taiobeiras
107.1 FM
MG - Unaí
93.1 FM
MT - Sapezal
97.3
MT - Vera
90.9 FM
PA - Tucuruí
90.9 FM
PR - Foz do Iguaçu
93.7 FM
PR - Palotina
99.3 FM
RS - Erechim
90.7 FM
RS - Ciríaco
88.9 FM
RS - Panambi
88.7 FM
RS - Putinga
101.1 FM
RS - Santo Ângelo
94.5 FM
RO - Ariquemes
92.3 FM
RO - Conesul
100.9 FM
RO - Ji-Paraná
93.7 FM
RO - São Francisco do Guaporé
88.7 FM
RO - São Miguel do Guaporé
99.7 FM
SC - Itajaí
102.1 FM
SP - Barretos
100.1 FM
SP - Catanduva
106.9 FM
SP - Itapeva
93.5 FM
SP - Pirassununga
90.1 FM
SP - São José do Rio Preto
107.9 FM
RS - Casca
88.5 FM
RS - Não Me Toque
95.7 FM
Ao Vivo
105.5 FM

Tudo sobre a polêmica de Viny e seu cachê de milhões

Buzz
Publicado em

Clube FM

Jornalista publica matéria afirmando que ex-BBB que não é ator queria cachê de R$80 mil para participar de filme. Viny disse que é mentira e jornalista traz provas

Por: Morillo Carvalho, editor Clube.FM

Vou me permitir escrever este texto em primeira pessoa por três razões: a primeira é por ser jornalista profissional desde que o Viny tinha sete anos. A segunda é por ser ator profissional e meu primeiro curso de teatro ter sido dois anos antes de Viny nascer. A terceira é por não estar nenhum pouco interessado em, com base em lugar de fala, cancelar o Viny, só talvez chamá-lo a aterrisar novamente.

Estamos em julho de 2022, o que significa que faz tipo pouco mais de três meses que Viny deixou a casa do BBB, e o que o Brasil inteiro espera dele é mesmo que cresça e apareça e seja feliz. O país inteiro acompanhou sua saga atrapalhada de tentar criar uma narrativa de desastrado para que sua personagem cai-cai viralizasse e ele conquistasse público assim. Quem tem um pouco mais de profundidade de discurso, sabe bem que Viny, imaturo e inexperiente, procurou o lugar mais confortável de ser gay neste país: o lugar do engraçado. O país inteiro também acompanhou a paixão que criou por Eliezer, que estragou todo o jogo dele, por ter se comportado como todo bom e velho esquerdomacho lixo, que suga afetos dos que o rodeiam e descarta com a facilidade de quem diz “nunca te prometi nada”. “Paixão” não significa a de ter um romance, mas aquilo de “dorme de conchinha comigo e me abraça igual você abraça a Natália”, a gente lembra e sabe do que se trata.

Por isso, é péssimo julgar Viny por querer cobrar por trabalhos, quaisquer que sejam. Ainda mais no cinema nacional que, oito anos antes de Viny nascer, viveu uma bancarrota que só começou a se reerguer quatro anos antes de Viny nascer (quando Carla Camuratti lançou “Carlota Joaquina” e iniciou a “retomada do cinema brasileiro) e que vive com dificuldade de produção, execução e exibição – ainda mais hoje, num cenário de inexistência de políticas públicas capazes de fazer o setor crescer.

Se o caso de “Janelas”, longa em que Viny foi convidado a atuar porque havia um papel feito especialmente pra ele, com o diretor prometendo dedicação para prepará-lo, é diferente dos demais, eu não sei. Só sei que realmente não faz nenhum sentido imaginar que é razoável cobrar R$80 mil de cachê.

Depois que o jornalista do Portal iG, Gabriel Perline, tão longevo na carreira quanto eu, publicou que Viny teria cobrado o que cobrou, o ex-BBB o chamou de mentiroso.

Viny, portanto, tinha seis anos quando Gabriel começou sua carreira. Só isso deveria já acender a luz amarela e requerer atenção redobrada do ex-BBB ao se pronunciar sobre ser verdade ou mentira qualquer coisa que o jornalista esteja publicando, ainda que sobre sua vida. Há muito mau-caratismo na área e há colunistas que desgraçam a vida de outra pessoa, como no caso de Klara Castanho. Mas partir do pressuposto de tudo é mentira ou fake news é perigoso.

E lá se foi Gabriel a publicar os prints comprovando que, sim, Viny cobrou R$80 mil de cachê por uma produção independente de cinema brasileiro.

Ainda que não pessoalmente. Não interessa. Quando você constitui alguém para falar por si, você está apenas terceirizando sua voz. Ganhar três vezes mais do que Zezé Motta, atriz deste mesmo filme, seria insano sim e sempre será.

E de novo: que o Viny se entupa de tanto ganhar dinheiro. Que faça publis e mais publis e o que mais quiser fazer (em qualquer área, inclusive a artística, que sim, requer estudo e dedicação, mas não é feudo exclusivo de atores e atrizes – se um roteirista pensa num não-ator para um papel, que seja feliz!). Se este mercado é capaz de criar figuras como Jade Picon, cujo talento é representar as marcas e “inspirar pessoas” (termo pra lá de genérico) com sua branquitude e olhos claros, que o seja também capaz de colocar Viny, cuja vida é verdadeiramente inspiradora e cuja fenotipia e subjetividades representam tanto uma parcela tão importante da população: negro, pobre, gay, com difícil acesso à educação básica, batalhador.

Mas não é perdendo a noção, cobrando cachê de publi em filme independente e acreditando estar num patamar de ganhar três vezes mais que uma Zezé Motta, 78 anos, 55 de carreira – portanto, só de carreira são 27 anos a mais que a vida inteira de Viny -, que o caminho rumo à riqueza e prosperidade está.

Veja Também
Aplicativo Clube
Baixe o App da Clube e fique por dentro de tudo, o tempo todo.
O aplicativo de rádio mais legal da internet. Acompanhe a sua Clube em qualquer lugar!
App Clube
Contatos